Querendo ver outros blogs meus consultar a Teia dos meus blogs

quinta-feira, 22 de julho de 2010

Artur Ribeiro (1ªParte)



Recordar Artur Rbeiro, por mim falo, é sobretudo falar dum grande letrista, já que como intérprete confesso não gostava, vejamos alguns exemplos

  • Madame Batefly colocou a net este Velas de Alfama, com letra sua e música de Max que também o interpreta



  • TiMacheta relembra-o com Adeus Mouraria outro fado seu aqui cantado por Pedro Moutinho
  • Ou na voz de Ricardo Ribeiro, esta letra de Artur Ribeiro e música de Joaquim Campos, soberbo fado chamado Quando me sinto só, publicado por Alexandre 47

  • Ou ainda nesse Quando voltares, por mim publicado e que tem música de Jorge Fontes, cantado por Manuel de Almeida
Voltarei, porque há muito para lembrar Artur Ribeiro

terça-feira, 13 de julho de 2010

O fado está de luto


No infeliz dia da morte de António Ferreira proprietário do restaurante os Ferreiras em Lisboa, acima de tudo um fadista e um amigo, a minha homenagem consubstanciada no esboço do que seria uma noite nos ferreiras

  • A actual directora artística Júlia Lopes, cantado o Fado-
  • Ana Maurício cantando Basta coração

  • Diogo Rocha cantando o Fado das horas

  • Vitor Miranda no fado da meia-laranja

  • Ricardo Ribeiro canta Moreninha da Travessa

  • Jaime Dias canta O meu ídolo

  • Para fechar o ídolo de Jaime Dias, meu, de milhares de portugueses, num dos meus fados favoritos

Aqui trouxe um dos elencos possíveis que o António, apresentava em sua casa

Que descanse em paz amigo

quinta-feira, 8 de julho de 2010

Silêncio


Meu amor meu amor



Meu amor meu amor
Meu corpo em movimento
Minha voz à procura
Do seu próprio lamento
Meu limão de amargura
Meu punhal a crescer;
Nós parámos o tempo
Não sabemos morrer
E nascemos nascemos
Do nosso entristecer.

Meu amor meu amor
Meu pássaro cinzento
A chorar a lonjura
Do nosso afastamento.

Meu amor meu amor
Meu nó de sofrimento
Minha mó de ternura
Minha nau de tormento:
Este mar não tem cura
Este céu não tem ar
Nós parámos o vento
Não sabemos nadir
E morremos morremos
Devagar devagar


Um copo mais um copo



quinta-feira, 1 de julho de 2010

Revisitando Vasco de Lima Couto


Hoje há fado, fado letra, fado emoção na minha ronda pelo blogosfera fadista, descubro muitos que tal como eu adoram os fado com a assinatura de Vasco de Lima Couto

No fado corrido descobri

  • Mercês da Cuha Rêgo cantar o Fado da Alegria para a marcha de Alfredo Marceneiro.
  • Maria Armanda no fado do Amanhã para a música do Noquinhas de Fernando Freitas (um abraço Fernando Girão)
No fado Cravo

  • Noite (não podia deixar de ser ao recordar Lima Couto), sobre música de Max, cantado pelo António Mourão
Do fado em vinil


e voltando a casa


As referências ao Vasco são do Lisboa no Guiness.


A todos os colegas bloguistas os meus agradecimentos